RJ: prefeito e candidata são presos por fraude em licitações


O grupo ofereceu R$ 800 mil para subornar policiais (Foto: Divulgação)

O prefeito da cidade de Guapimirim, Renato Costa Mello Júnior, o Renato do Posto, foi preso na manhã desta quarta-feira durante a operação Os Intocáveis da Delegacia de Repressão ao Crime Organizado. Júnior do Posto, o presidente da Câmara de Vereadores e dois secretários do município são acusados de fraudar licitações públicas e de desviar cerca de R$ 1 milhão por mês dos cofres da prefeitura nos últimos quatro anos.

Eram cumpridos na manhã de hoje sete mandados de prisão e 45 de busca e apreensão, que foram expedidos pela Seção Criminal do Tribunal de Justiça. Além disso, outras 11 pessoas foram indiciadas, incluindo três vereadores.

Entre os envolvidos está a subsecretária de Governo licenciada e candidata a prefeita de Guapimirim pelo PMDB, Ismeralda Rangel Garcia; o presidente da Câmara dos Vereadores, Marcelo Prado Emerick, o Marcelo do Queijo; o atual secretário de Governo, Isaías da Silva Braga, conhecido como Zico, e o chefe do setor de Licitações da Prefeitura, Ramon Pereira da Costa Cardoso. Também eram procurados pela polícia dois homens que atuavam como laranjas no esquema da organização criminosa: Ivan Azevedo Valentino, o Ivan do Gazetão, e Ronaldo Coelho Amorim , o Ronaldinho.

Durante a investigação o grupo chegou a oferecer R$ 800 mil para subornar os policiais. O dinheiro foi aceito com autorização judicial e para ganhar a confiança dos investigados. No último dia 27 de julho, policiais e criminosos se reuniram em um posto de gasolina em Guapimirim para receber a quantia em notas de R$ 100 e R$ 50.

O dinheiro, segundo a polícia, foi entregue aos policiais pelo presidente da Câmara dos Vereadores, Marcelo do Queijo, acompanhado de outras pessoas. As cédulas estavam úmidas e com cheiro de esterco. A polícia acredita que o dinheiro estava enterrado em algum lugar. Todo o dinheiro recebido foi encaminhado à Justiça e depositado em uma conta bancária. Os envolvidos chegaram a dizer à polícia que, a partir de janeiro, parte do dinheiro mensal passaria a ser entregue a Ismeralda Rangel Garcia. Marcelo do Queijo é candidato à reeleição pelo PPS.

O Ministério Público Estadual denunciou 16 pessoas sob acusação dos crimes de quadrilha armada, fraude em licitação, corrupção ativa, coação no curso do processo e peculato, que podem somar até 24 anos de prisão.

Alguns denunciados não têm mandado de prisão decretada, entre eles os vereadores Iram Moreno de Oliveira, o Iram da Serrana, candidato pelo PMDB, Alexandre Duarte Carvalho, candidato pelo PSC, e Marcel Rangel Garcia, o Marcel do Açougue, todos acusados de receberem entre R$ 50 e 80 mil por mês para evitar qualquer tipo de fiscalização nas contas da prefeitura por parte da Câmara de Vereadores.

A investigação começou há cerca de sete meses depois de denuncia de um vereador da cidade ao Ministério Público Estadual. De acordo com a investigação, o grupo utilizava diversas formas para desviar verbas públicas, como a utilização de aluguel de veículos particulares dos acusados a preços superfaturados – como um carro ano 1993 alugado a R$ 7 mil reais mensais para Prestação de serviços ¿ , fraude na compra de merenda escolar e manutenção de ar-condicionado através de notas superfaturadas de empresa de propriedade do presidente da Câmara, Marcelo do Queijo.

Fonte: Portal Terra

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s