Ofensiva em Gaza já matou quase 300 crianças, diz Unicef

download
Criança palestina é levada para hospital. Médicos acusam Israel de ter realizado ataque e matado 8 pessoas horas depois de começar o cessar-fogo nesta sexta-feira (Foto: AFP)
A ofensiva militar israelense na Faixa de Gaza, iniciada em 8 de julho, provocou a morte de pelo menos 296 crianças e adolescentes palestinos, anunciou o Unicef. “As crianças representam 30% das vítimas civis”, afirma o Fundo das Nações Unidas para a Infância. “O número de crianças mortas nas últimas 48 horas pode aumentar, após uma série de verificações que estão sendo feitas”, afirma o Unicef.

Os dados ainda não são definitivos.

Segundo a informação que o Unicef possui atualmente, “entre 8 de julho e 2 de agosto foram registradas as morte de pelo menos de 296 crianças palestinas”.

Mais de 1.650 palestinos, em sua ampla maioria civis, morreram em consequência da ofensiva israelense. No mesmo período, 63 palestinos morreram, em sua maioria militares. O Estado de Israel acusa o movimento islamita palestino Hamas, que controla Gaza, de usar a população como “escudo humano”.

Mortos eram combatentes

Dados divulgados pelo vice-ministro do Exterior de Israel, Tzachi Hanegbi, neste sábado indicam que o país tem evidências de que quase metade dos palestinos mortos na guerra que já dura 25 dias na Faixa de Gaza era formada por combatentes.

Os grupos de direitos humanos de Gaza dizem que ao menos 80% dos palestinos mortos eram civis. O Conselho de Direitos Humanos da ONU acusou na semana passada os israelenses de realizarem “ataques desproporcionais e indiscriminados” e abriu um inquérito para averiguar possíveis crimes de guerra.

Israel rejeitou o anúncio do Conselho de Direitos Humanos da ONU, considerando a decisão tendenciosa, mas geralmente conduz suas próprias investigações sobre os combates.

“Há uma pesquisa sendo realizada no Exército, muito profissional e confiável, cuja conclusão é que pelo menos 47% dos mortos são terroristas, com fotografias e nomes”, disse Tzachi Hanegbi à emissora de televisão israelense Canal Dois, acrescentando que as informações serão apresentadas aos investigadores. Ele não deu mais detalhes do assunto.

Volta para casa

Também neste sábado, o Exército de Israel disse que os palestinos que fugiram dos combates na cidade de Beit Lahiya, no norte da Faixa de Gaza, podem retornar para suas casas, em um sinal de que a ofensiva na área está diminuindo, segundo a Reuters.

“Os habitantes do norte da Faixa de Gaza receberam uma mensagem que informa que podem retornar ao setor de Beit Lehiya”, afirma um comunicado do Exército. “Os moradores são aconselhados a tomar cuidado com dispositivos explosivos do Gamas que se espalharam pela área”, disse em mensagem enviada aos 70 mil moradores da cidade.

Menino palestino segura pássaro encontrado ferido nos escombros de uma casa, destruída em ataque israelense durante a noite, no norte da Faixa de Gaza (Foto: Lefteris Pitarakis/AP)

Segundo a France Presse, a autorização provavelmente significa que o exército considera que concluiu sua missão, enquanto testemunhas afirmaram que constataram uma retirada das tropas israelenses das localidades próximas a Khan Yunes, sul do território palestino.

Apesar disso, dezenas de palestinos morreram neste sábado na Faixa de Gaza em ataques do exército de Israel, que procura um soldado desaparecido, ao mesmo tempo que o Egito tenta promover um plano para acabar com o conflito.

Soldado desaparecido

O Hamas reconheceu sua responsabilidade por uma violenta emboscada na Faixa de Gaza na qual um militar israelense pode ter sido capturado, mas afirmou que o incidente provavelmente ocorreu antes do cessar-fogo e que, portanto, não violou a trégua.

Israel disse que membros do Hamas armados e um homem-bomba saíram de um túnel e armaram uma emboscada contra sua infantaria em Rafah, no sul, por volta das 9h30 da sexta-feira (horário local), uma hora e meia depois do início do cessar-fogo. De acordo com o Estado judeu, dois soldados morreram e outro foi sequestrado, o tenente Hadar Goldin.

O incidente fez Israel bombardear Rafah pela manhã, causando a morte de 150 palestinos. No começo da tarde, Israel declarou o fim da trégua, que deveria ter durado 72 horas e tinha a intenção de permitir a chegada de apoio humanitário a 1,8 milhão de palestinos que vivem em Gaza, além de facilitar as negociações de paz.
Fonte: G1
MAIS NOTÍCIAS: http://crato-noticias.blogspot.com.br/

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s